Rede de franquias aposta em camisetas licenciadas para crescer mais de 50% em 2016

Publicado em 16/01/2017 por Imprensa

Marca especializada em temas da cultura pop inaugurou 128 lojas (totalizando 248), marcando presença em todos os estados brasileiros

Em 2008, quando os irmãos Felipe e Vinicius Rossetti abriram sua primeira loja no Plaza Shopping Itu (SP), não imaginavam o que tinham em mãos e o potencial de sucesso que se provou esse ano. Ambos haviam dedicado dez anos de estudos nos Estados Unidos, e voltaram ao Brasil com R$ 6 mil no bolso e um sonho na cabeça: abrir o próprio negócio.


“O primeiro passo foi comprar 150 t-shirts para revendê-las. Esgotamos o material em uma semana e, com a quantia que faturamos, buscamos mais 300 peças, que também acabaram rapidamente. Reinvestir o capital foi primordial para propagação do nosso nome”, afirma Felipe Rossetti, um dos fundadores da Piticas, marca de camisetas que hoje aposta no segmento de cultura pop e vendeu mais de 2 milhões de itens em 2016.


Alguns anos depois, com o desenvolvimento do projeto, fundaram uma confecção de 50 m² para estampar blusas com frases humorísticas. A ideia era poupar dinheiro para posteriormente aplicar em licenciamentos. Hoje, os irmãos são donos de uma fábrica de 4 mil m², localizada em Guarulhos, e que produz cerca de 17 mil produtos por dia com a ajuda de 500 funcionários e maquinários de última geração.


Os proprietários acompanham todas as etapas da produção, desde tecido, corte e costura até o design e estamparia, além do treinamento de funcionários e do controle de satisfação dos clientes por meio de consultores espalhados pelo país.


A Piticas em 2016:
Mais de 2 milhões de camisetas vendidas;
Mais 125 lojas implantadas por todo o país;
10.000 artigos vendidos na CCXP 2016;
100 novos licenciamentos aprovados;
337.721 curtidas na página oficial do Facebook;
30.700 seguidores do Instagram;
R$ 45.000 é o faturamento médio mensal por loja;
1.800.00 visualizações no site da Piticas


Franquias


No início, os empresários mantinham 50 unidades próprias. Quando perceberam que a ideia havia tomado uma dimensão maior do que conseguiam gerenciar sozinhos, o franqueamento foi o melhor método para expandir a distribuição. Até 2015, a sociedade era formada por 120 estabelecimentos. Em 2016, 128 novas unidades foram criadas, o que colocou a Piticas presente em todos os estados brasileiros.


Para certas pessoas, a crise financeira virou sinônimo de oportunidade, como para alguns dos franqueados mais recentes da Piticas, que viram no modelo de negócio da marca uma chance de começar o próprio negócio. “O custo médio para que alguém se torne nosso parceiro de vendas é de R$ 150 mil, mas o nosso financeiro é flexível, ou seja, é possível dar uma quantia de entrada e financiar o restante, dependendo das condições. São poucas marcas que oferecem esses valores”, explica Felipe.


Segundo ele, o retorno é praticamente garantido entre 18 e 24 meses. No entanto, existem alguns cases de sucesso que conseguiram uma boa margem de lucro em quatro meses. Para 2017, a Piticas visa bater a meta de manter 400 pontos de venda, além de tocar a estratégia de inserir a marca no mercado internacional.


Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito

Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito!

Palavras-chaves: Franquias , Franquias de vestuário , Piticas