Faturamento do comércio eletrônico paulista tem alta de 42,9% no quarto trimestre de 2018

Publicado em 05/04/2019 por Imprensa

Segundo pesquisa realizada pela FecomercioSP em parceria com a Ebit/Nielsen, os bens duráveis lideraram as vendas do setor

As vendas do comércio eletrônico no Estado de São Paulo avançaram 42,9% no quarto trimestre do ano passado em comparação ao trimestre anterior, faturamento real de R$ 5,87 bilhões, ante R$ 4,09 bilhões do terceiro trimestre. Em relação ao mesmo período de 2017, a elevação foi de 13,1%. No total de 2018, as vendas tiveram elevação de 4% no contraponto com o ano anterior.

Os resultados compõem a Pesquisa Conjuntural do Comércio Eletrônico (PCCE), elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) por meio do seu Conselho de Comércio Eletrônico em parceria com a Ebit/Nielsen. A pesquisa traz dados sobre faturamento real, número de pedidos e tíquete médio e permite mensurar a participação do e-commerce nas vendas totais do varejo (eletrônico e físico) no Estado de São Paulo, segmentado em 16 regiões.

No último trimestre de 2018, os bens duráveis seguiram na liderança do faturamento do setor, concentrando 72,4% das receitas, com um tíquete médio de R$ 716,64. O comércio de bens semiduráveis representaram 14,1% das vendas, com um valor médio de R$ 196,70. Enquanto isso, os não duráveis tiveram uma parcela de 13,5% do faturamento, com tíquete médio de R$ 188,41.

Para a FecomercioSP, a pequena participação de bens não duráveis e semiduráveis no comércio online representa uma ótima oportunidade para o empresário de pequeno e médio portes ampliarem suas vendas. Uma das estratégias que podem ser adotas por eles, por exemplo, é focar na expansão das ofertas para clientes do interior do Estado e também investir em marketing digital para aumentar a visibilidade.

Os pedidos das vendas online atingiram 14,3 milhões no quarto trimestre, maior número desde o início da série histórica da pesquisa, iniciada em 2016. A participação nas vendas do varejo paulista ficou em 3,1%, ante os 2,4% do terceiro trimestre, com tíquete médio de R$ 409,35.

De acordo com a assessoria econômica da Federação, o resultado positivo continua sendo influenciado pela Black Friday, a principal data para as vendas do varejo online. Também contribuíram o recuo nas taxas de juros, a inflação um pouco mais controlada e  o décimo terceiro na renda das famílias, consolidando, assim, o ciclo de recuperação da crise econômica que houve entre os anos de 2014 e 2016.

Para a Entidade, embora o reajuste no frete dos Correios eleve os preços dos produtos ao consumidor final, a expectativa é que o bom desempenho permaneça ao longo de 2019, com as novas modalidades de crédito e financiamento sendo oferecidas pelas operadoras de cartão.

Capital

O faturamento real do comércio eletrônico na capital avançou 43,1% no quarto trimestre em relação ao trimestre anterior, atingindo R$ 2,17 bilhões. Em relação ao mesmo período de 2017, a alta foi de 14,6%. Já o número de pedidos superou 5,6 milhões, com um tíquete médio de R$ 384,76. A participação da capital no e-commerce em relação ao faturamento total do varejo foi de 3,7%. Contudo, quanto às vendas totais de 2018, houve estabilidade (-0,3%).

Nota metodológica

A Pesquisa Conjuntural do Comércio Eletrônico (PCCE) é realizada trimestralmente pela FecomercioSP a partir de informações fornecidas pela Ebit|Nielsen. Além dos dados de faturamento real, número de pedidos, tíquete médio, a pesquisa permite mensurar a participação do comércio eletrônico nas vendas totais do varejo paulista. As informações são segmentadas em 16 regiões que englobam todos os 645 municípios paulistas e abrangem todas as atividades varejistas constantes do código CNAE 2.0.

Em 2018, a PCCE passou a trazer também informações sobre as vendas de três categorias de bens de consumo: duráveis, semiduráveis e não duráveis. Entre os bens duráveis estão automóveis e veículos, Blu-ray, brinquedos, casa e decoração, CDs, colecionáveis, construção e ferramentas, discos de vinil, DVDs, eletrodomésticos, eletrônicos, fotografia, games, informática, instrumentos musicais, joias e relógios, telefonia e celulares. Os semiduráveis são compostos por itens de arte e antiguidade, artigos religiosos, bebês e cia, esporte e lazer, indústria, comércio e negócios, livros, moda e acessórios, natal, papelaria e escritório. Já entre os não duráveis estão: alimentos e bebidas, assinaturas e revistas, perfumaria e cosméticos, petshop, saúde, serviços, sexshop e tabacaria.

Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito!

Palavras-chaves: Economia e Mercado