Confie, mas cheque tudo

Publicado em 08/12/2016 por Luiz Marcondes | Ultima Atualização em 12/12/2016

Se você vai iniciar uma relação com uma franqueadora, é claro que confiança é fundamental. Mas se prevenir também é importante. Aprenda a lidar até com o imprevisível

Você vai investir na franquia dos seu sonhos e para isso batalhou muito e reuniu aquele capital suado e sagrado, conquistado com muito esforço. Mas o que acontece se o valor não for o suficiente? Podem mesmo haver discrepâncias? Como proceder?


O Mapa das Franquias conversou com Luís Henrique Stockler, que é sócio fundador da ba}STOCKLER, consultoria em franquias e negócios, e responsável pela elaboração de estratégias empresariais, além de palestrante credenciado na ABF. O especialista falou sobre as variáveis que podem influenciar uma eventual diferença entre o valor de investimento inicial divulgado e o valor real e outros tópicos pertinentes, inclusive sua visão do mercado para 2017. Confira a seguir.


Mapa das Franquias: O franqueado pode confiar nos valores de investimento inicial divulgados pelas marcas? Ou deve ter uma reserva além do valor divulgado? Quais os motivos para uma eventual discrepância desses valores?


Luís Henrique Stockler: Sim, pode confiar como uma referência, mas não se ater tão fielmente a ele – o valor divulgado pela franqueadora deve ser como parâmetro e não como uma verdade, podendo variar para mais ou pra menos.


Vale partir desse valor e fazer as contas a partir das informações que receber, considerando as possíveis variáveis - imóvel, tamanho, tipo de ponto, localização, estoque, investimento, reforma, maior ou menor potencial de venda, considerando-se que há franqueadores de diferentes perfis (otimista, realistas e outros conservadores), por isso, o investidor precisa estudar bem os números.


Entre as variarias que influenciam mais efetivamente no valor inicial, há dois principais influenciadores: a localização do ponto e a estrutura.


Mapa das Franquias: Quais os “Imprevistos” que não são tão imprevistos assim no contexto das franquias? Como posso me antecipar às necessidades financeiras para não ser pego desprevenido?


Luís Henrique Stockler: Sobre os imprevistos, há três principais:
1. A reforma do ponto, que pode custar mais caro em função do imóvel que escolhe
2. A economia, que pode estar melhor ou pior no momento da abertura do negocio;
3. E o fôlego do empresário para pagar as contas pessoais até que a empresa atinja o ponto de equilíbrio.


Mapa das Franquias: O que acontece se eu tiver uma necessidade de capital de giro maior do que a esperada? Devo pegar um empréstimo?


Luís Henrique Stockler: Para abertura de qualquer negócio, o empresário deve reservar, de imediato, um valor de, pelo menos, mais 30% do que prevê investir, a ser destinado para emergências – tanto pessoal ou empresarial.


Pegar empréstimos bancários não é recomendável num primeiro momento/primeira unidade; é uma solução, mas, para quem deseja começar um negócio novo em que não tem experiência.


Para uma segunda unidade, o empréstimo pode ser considerado para completar o investimento inicial, de maneira mais segura.


E no ano que vem?


Mapa das Franquias: Falando em previsões e em estar preparado, o que o ano de 2017 reserva para o universo das franquias? Dá para apostar numa r, de recuperação da economia ou é cedo para falar?


Luís Henrique Stockler: Para 2017, pode-se esperar muito trabalho. Quem já abriu seu negocio vai enfrentar um ano difícil: a economia não vai equilibrar tão rapidamente (a previsão é que se mantenha igual), porém, para quem tem capital, surgirão boas oportunidades de investimentos, negócios, de pontos comerciais, aquisições/repasse de franquias, de mercadorias. Mas, será um ambiente desafiador para o começo de vida de qualquer negócio: os empresários terão que ter mais fôlego, disciplina e maior rigor no que se trata de planejamento econômico financeiro, de ações.


Mapa das Franquias: Que segmentos podem se recuperar mais rapidamente da recessão e quais os que ainda vão demorar? Por quê?


Luís Henrique Stockler: O “varejo duro” (telefones, eletrodomésticos, móveis) sofrerá um pouco mais, pois exige mais investimento, que o consumidor não tem ou está com receio de fazer. Mas o “varejo mole” (basicamente, tudo que envolve moda) e os serviços terão boas chances de recuperação no próximo ano.


Vai ter sucesso quem mergulhar de cabeça na operação (franquias).


Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito

Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito!

Palavras-chaves: Franquias , Dicas para investir em franquias , Gestão de franquias